Caso de homem que agrediu sacerdote durante missa ocorreu na Guiana, não na França

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.
 

Um vídeo em que um sacerdote é agredido em plena missa foi visualizado mais de 400 mil vezes em redes sociais desde julho de 2022 junto à afirmação de que o episódio ocorreu em uma igreja na França. Mas, na verdade, o vídeo foi gravado na Catedral da Imaculada Conceição, em Georgetown, na Guiana, em 7 de novembro de 2020. A missa em questão foi transmitida pelo Facebook e o bispo que realizava a cerimônia confirmou o caso à AFP.

“Enquanto isso na França…quanto mais disso vai ser tolerado? Até quando?”, diz uma das publicações que compartilham as imagens no Facebook (1, 2) e Twitter (1, 2). 

O vídeo, que mostra um homem agredindo um padre e roubando artefatos religiosos, também foi difundido pelo senador e filho do presidente Jair Bolsonaro, Flávio Bolsonaro (PL). “Foi na França, mas, pela postura de militantes de esquerda que trabalham por Lula, pode ser aqui muito em breve… Pelo bem do Brasil: Bolsonaro!”, escreveu. 

Captura de tela feita em 19 de julho de 2022 de uma publicação no Twitter ( . / )

Em novembro de 2020 o mesmo vídeo foi compartilhado milhares de vezes em espanhol, mas, à época, usuários afirmaram que o episódio teria ocorrido nas Ilhas Canárias. Em alguns casos, as postagens foram acompanhadas por uma narração que ligava a agressão na igreja à “imigração descontrolada” no arquipélago espanhol.

A sequência mostra um homem, sem camisa, que grita algo ao responsável pela missa, em plena liturgia, e depois de cercar o altar, o golpeia, tirando a sua máscara. Finalmente, o agressor vai embora, levando vários objetos.

As imagens foram gravadas na Guiana

Por meio de uma busca reversa de frames do vídeo com a ferramenta InVID, a equipe de checagem da AFP  constatou que o caso, que é real, não ocorreu na França, nem em nenhuma ilha do arquipélago das Canárias, mas em Georgetown, Guiana, mais especificamente na Catedral da Imaculada Conceição, durante a missa de 7 de novembro de 2020.

A página do Facebook “Catholic Media Guyana” transmitiu ao vivo a celebração em que ocorreu o fato, registrado neste vídeo a partir do minuto 23:30. 

Contactado pela equipe da AFP, o editor e cinegrafista da“Catholic Media Guyana”, Romeo Abrams, confirmou a data e o lugar do vídeo viral. Além disso, Abrams enviou uma cópia do seminário da diocese, Standard Católico, onde foi informado o ocorrido aos paróquios.

O artigo relata que um homem enfrentou os párocos durante a missa do bispo Francis Alleyne e do diácono Francis Savarimuthu (homem que está atrás do bispo nas imagens), tirou a tampa de um cálice sobre o altar e, armado com uma faca, roubou um anel e um crucifixo do bispo (a quem golpeou na cabeça) para depois ir embora. 

Nas imagens, depois que o agressor deixa a missa (em torno do minuto 26:13 da transmissão), o padre diz, em inglês: “We want to pray for our brother” (Precisamos rezar por nosso irmão), se referindo à situação, como confirmou Abrams.

Segundo o Standard Católico, os paroquianos confrontaram o agressor quando ele estava saindo e conseguiram recuperar o crucifixo, o anel e o missal. Neste artigo de uma mídia local, informa-se também sobre a detenção do agressor. 

Através de uma busca reversa no Google Imagens, a equipe da AFP confirmou que quem fazia a missa era o bispo de Georgetown, Francis Alleyne, assim como indicou o semanário católico.

Testemunho do bispo

O próprio sacerdote confirmou à AFP o ocorrido em um e-mail enviado em 15 de novembro de 2020: “Foi um incidente que ocorreu durante a missa das 6 da manhã, no sábado, 7 de novembro de 2020, na Catedral da Imaculada Conceição, localizada em Brickdam, Georgetown, Guiana, América do Sul”, indicou. E ele explicou que a missa foi celebrada “na Capela do Sagrado Coração, localizada junto ao santuário principal da catedral”.

“O padre sou eu mesmo”, disse Alleyne, “e meu agressor é um cidadão da Guiana, com uma enfermidade mental, um dos muitos que vêm em nossas igrejas, e que na maioria não são violentos”. O ocorrido, acrescentou o bispo, “mostra a infeliz realidade dos doentes mentais, o desproporcional número de pessoas que estão nesta situação e a limitada capacidade do Estado e de outros agentes para tratá-los adequadamente”.

O interior da catedral

Alleyne enviou à AFP fotos do interior da catedral e da capela que demonstram que é o mesmo local onde foram registradas as imagens da agressão.

Na comparação seguinte, podemos ver, no canto superior esquerdo, o vídeo que havia viralizado em 2020, feito de um ângulo mais amplo, com vários elementos destacados: uma imagem de Jesus, um crucifixo atrás do altar, a descrição “Kyrie eleison”(“Senhor, tenha piedade”) e o púlpito.

As outras imagens são as proporcionadas pelo bispo. A da direita mostra a capela do Sagrado Coração, destacando os mesmos elementos, e abaixo no canto esquerdo se observa uma panorâmica do corredor central da catedral, com uma seta assinalando o lugar onde se está a capela.

Captura de tela de uma publicação no Facebook (esq. acima); capela do Sagrado Coração (dir.) e localização da capela na catedral, em fotos posicionadas pelo bispo Alleyne ( . / )