Fenômeno que afasta a Terra do Sol acontecerá em 4 de julho de 2022 e não afetará a saúde humana

Copyright © AFP 2017-2022. Todos os direitos reservados.
  

Publicações nas redes sociais alertavam, em abril de 2022, que o “fenômeno afélio”, quando a Terra está mais distante do Sol, estaria prestes a começar. De acordo com as mensagens, o evento teria como consequência baixas temperaturas e efeitos negativos na saúde humana. No entanto, o próximo afélio ocorrerá em 4 de julho de 2022 e não são previstos efeitos significativos no clima ou na relação com a saúde das pessoas, segundo fontes especializadas e uma astrônoma consultada pela AFP.

“A partir de amanhã, às 05h27, vivenciaremos o FENÔMENO APHELION, onde a Terra estará muito distante do Sol. Não podemos ver o fenômeno, mas podemos sentir seu impacto.  Isso vai durar até agosto. Teremos um clima frio mais do que o clima frio anterior, o que afetará a gripe, tosse, falta de ar, etc.”, dizem publicações compartilhadas no Facebook majoritariamente em abril de 2022.

O texto, que também circula em inglês e espanhol, continua: “A distância da Terra ao Sol é de 5 minutos-luz ou 90.000.000 km.  O fenômeno do afélio a 152.000.000 km.  66% a mais. Assim, o ar fica mais frio e o impacto no corpo não é bom porque ele não está acostumado com essa temperatura”.

Captura de tela feita em 5 de maio de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

O afélio, também conhecido como “aphelion”, é o fenômeno astronômico que ocorre nos anos em que a Terra está mais distante do Sol. Segundo a NASA, a agência espacial dos Estados Unidos, ele não ocorrerá “amanhã”, como sugerem as publicações virais, mas no início de julho.

De acordo com informações do site do Planetário de Montevidéu, o próximo afélio acontecerá em 4 de julho de 2022 às 4h10 locais (7h10 GMT), com uma distância entre os dois corpos astronômicos de 152.098.455 quilômetros, quando em média a distância é 150.000.000 quilômetros, o que equivale a 8,3 minutos-luz ou a uma unidade astronômica.

Isso ocorre porque o caminho da Terra ao redor do Sol é elíptico e não circular, por isso há momentos em que nosso planeta está mais longe do Sol e outros mais próximos (periélio), explica o site.

No entanto, a distância entre nosso planeta e o Sol “varia muito pouco” e a diferença entre o afélio e o periélio não ultrapassa 3%, explicou à AFP Andrea Sánchez, doutora em astronomia pela Universidade da República, no Uruguai.

Além disso, esse fenômeno não tem “absolutamente nenhuma” relação com o clima ou com consequências prejudiciais para a saúde humana, afirmou a astrônoma:

“Todo ano passamos pelo afélio” e “uma confusão muito comum [que as pessoas têm] é que [acreditam que] as estações são determinadas pela distância Sol-Terra, e não são”, acrescentou.

Sánchez explicou que a mudança das temperaturas durante as estações do ano se deve ao fato de que o eixo de rotação da Terra é inclinado e “isso determina que em uma determinada estação o Hemisfério Sul receba mais radiação solar, e em outra, o Hemisfério Norte”. No entanto, observou que há mais fatores que afetam a variação do clima, “não apenas a distância para o Sol”.