Vídeo de menina brincando com fósforo não tem relação com fogo em mercado atacadista de 2020

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Publicações que mostram o vídeo de uma menina mexendo com fósforo dentro de um supermercado e o associam com o incêndio ocorrido em um mercado em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, têm sido compartilhadas mais de 49 mil vezes nas redes sociais desde o último dia 17 de setembro. As sequências, contudo, não têm relação, pois a gravação da criança com o fósforo foi feita em 2018 em um estabelecimento em Niterói.

“Da série: ‘Ja tomou seu anticoncepcional hoje?’ Vc acha que seu filho é atentado????? É por que vc não conhece a Júlia Helena que colocou fogo no Atacadão enquanto sua mãe transitava pelo setor de fósforos” e “Se você acha que seus filhos aprontam muito, lembre-se da menina que colocou fogo no Atacadão!!”, são algumas das legendas que acompanham os vídeos, que começaram a circular no Facebook (1, 2, 3) dias após o incêndio ocorrido em 13 de setembro deste ano em um dos supermercados de uma rede atacadista.

As gravações associando o caso da menina brincando com o fósforo com o fogo de grandes proporções que atingiu o mercado em Campo Grande circularam no YouTube e em sites, assim como em espanhol e russo. Mas elas não têm relação com o recente incêndio no mercado em Campo Grande (MS).

Captura de tela feita em 7 de outubro de 2020 de uma publicação no Facebook

Uma busca reversa por capturas de tela do vídeo da menina usando a ferramenta InVID-WeVerify* mostrou que ele circula desde 2018, em uma versão mais longa que também mostra como vários homens logo apagam as chamas com extintores.

Uma pesquisa no Google pelas palavras-chave “menina + incêndio + mercado” leva a uma matéria publicada no site JD1 Notícias.com, em 25 de outubro de 2018, cujo título é “Criança quase causa tragédia em atacadista ao brincar com fogo”.

De acordo com o texto, o caso aconteceu em Niterói, no estado do Rio de Janeiro, em outra rede de supermercados e, na época, a administração do estabelecimento informou que não houve muitos prejuízos pela rapidez no combate às chamas.

Comparação feita em 7 de outubro de 2020 entre o vídeo viralizado (à esquerda) e a gravação de 2018

Nos vídeos que circulam desde 2018, inclusive, é possível ver a data da gravação - 16 de outubro de 2018 - e o horário em que tudo aconteceu.

A equipe de checagem da AFP no Brasil entrou em contato com a assessoria da rede atacadista em Campo Grande, que confirmou que a sequência não havia sido filmada em suas instalações quando ocorreu o incêndio em setembro deste ano: “O vídeo não tem relação com o incêndio do Atacadão. Ele é de outra rede e foi gravado em 2018”.

As outras gravações que acompanham o vídeo da menina nas publicações viralizadas, contudo, mostram o que realmente aconteceu no último dia 13 de setembro.

Este caso foi noticiado por veículos de comunicação (1, 2), que indicaram que as causas do fogo seriam investigadas pela Polícia Civil.

Em resumo, é falso que uma menina brincando com um fósforo dentro de um supermercado, registrada em um vídeo, tenha sido o motivo pelo qual uma rede atacadista pegou fogo em setembro deste ano. A gravação da criança é de outubro de 2018, quase dois anos antes do ocorrido em Campo Grande, e foi feita em Niterói.

Este conteúdo já foi checado pela Agência Lupa, Aos Fatos e Boatos.org.

*Uma vez instalada a extensão InVid-WeVerify no navegador Chrome, clica-se com o botão direito sobre a imagem e o menu que aparece oferece a possibilidade de pesquisa da mesma em vários buscadores.

AFP Brasil