Vídeo de lançamento de mísseis é anterior ao ataque do Irã contra alvos norte-americanos no Iraque

Copyright AFP 2017-2020. All rights reserved.

Um vídeo amplamente compartilhado nas redes sociais, mas também difundido por alguns veículos de mídia na noite do último dia 7 de janeiro, afirma mostrar o recente disparo de mísseis iranianos contra bases que abrigavam soldados norte-americanos no Iraque. As imagens circulam, no entanto, ao menos desde 2018.

“Irã dispara dezenas de mísseis contra alvos norte-americanos no Iraque em resposta ao assassinato do general Soleimani”, diz tuíte, acompanhado de vídeo que mostra três lançamentos noturnos de mísseis. A gravação foi compartilhada com alegações semelhantes em diversas outras postagens em português (1, 2), inglês (1, 2) e francês (1, 2), sendo visualizada mais de 2,8 milhões de vezes. 

Capturas de tela feitas em 9 de janeiro de 2020 mostram vídeo viralizado publicado no Twitter em diversos idiomas

A sequência também foi transmitida diversas vezes pelo canal de TV norte-americano CNN no último dia 8 de janeiro, assim como publicada em seu site. Posteriormente, a CNN deletou o vídeo de sua página na Internet. 

Captura de tela feita em 8 de janeiro de 2020 mostra transmissão do canal norte-americano CNN

“A CNN transmitiu as imagens, mas alertou os espectadores de que não pôde verificar o vídeo de maneira independente. Assim que pudemos verificar que estes vídeos não eram autênticos [que não datavam de 2020], nós os retiramos de todos os nossos canais e plataformas”, afirmou um porta-voz da CNN contactado pela AFP em 8 de janeiro de 2020.

As imagens destes três disparos não poderiam ser do ataque conduzido pelo Irã na noite de 7 de janeiro deste ano, uma vez que podemos encontrar as mesmas gravações em um vídeo publicado pela conta Al-Jazeera English no YouTube em 1 de outubro de 2018.

Comparação entre vídeo viralizado em 2020 (à esquerda) e vídeo publicado pela Al-Jazeera no Youtube em 2018 (à direita)

De acordo com a legenda, a gravação mostra disparos do Irã contra o leste da Síria, em represália a um ataque que atingiu a cidade iraniana de Ahvaz em 22 de setembro de 2018. 

Aos 6 segundos do vídeo publicado pela Al-Jazeera, é possível identificar a primeira filmagem que compõe a gravação viralizada.

Exatamente três mísseis são lançados em ambos os vídeos, com o mesmo intervalo de tempo entre cada um. A trilha de fumaça que se forma atrás do primeiro míssil também se divide em dois em ambas as sequências, evidenciando que tratam-se das mesmas imagens.

Comparação entre vídeo viralizado 2020 (à esquerda) e vídeo publicado pela Al-Jazeera no Youtube em 2018 (à direita)

O segundo lançamento de mísseis incorretamente associado às atuais tensões entre Irã e Estados Unidos pode ser identificado aos 28 segundos do vídeo publicado em 2018.

Além da presença de elementos iguais, como árvores e uma formação rochosa do lado direito da imagem, o que permite comparar as duas gravações é o movimento da câmera. Em ambos os vídeos, a pessoa que filma o lançamento faz um movimento acentuado para a esquerda, antes de levantar a câmera para acompanhar o míssil.

Comparação entre vídeo viralizado em 2020 (à esquerda) e vídeo publicado pela Al-Jazeera em 2018

Aos 36 segundos do vídeo publicado pela Al-Jazeera é possível identificar a última sequência que compõe a gravação viralizada. Ambas as imagens mostram três mísseis lançados com exatamente o mesmo intervalo de tempo entre si. 

O Irã reivindicou o ataque que atingiu alvos norte-americanos no Iraque no último dia 7 de janeiro, em uma represália ao ataque do Estados Unidos no qual morreu, quatro dias antes, o general Qassem Soleimani, arquiteto da estratégia iraniana no Oriente Médio. 

No total, 22 mísseis balísticos atingiram as bases de Aïn al-Assad (no oeste do país) e de Erbil (no norte), onde estavam estacionados aproximadamente 5.200 soldados norte-americanos enviados ao Iraque.

Em resumo, é falso que o vídeo viralizado mostre o recente ataque iraniano contra alvos dos EUA no Iraque. As imagens circulam desde outubro de 2018 e podem ser identificadas em reportagem da agência Al-Jazeera sobre um ataque do Irã contra a Síria publicada no Youtube.

EDIT 14/01: Modifica posição do texto
AFP Brasil