Não, Polyana Viana, lutadora UFC, não teve prisão decretada após ter reagido a um assalto

Depois que a notícia sobre o assalto de Polyana Viana se espalhou pelas redes sociais, a informação de que a prisão da lutadora profissional brasileira teria sido decretada por ela ter reagido ao ataque também viralizou na internet. A AFP entrou em contato com os órgãos públicos responsáveis e com a própria lutadora e nenhum deles confirmou esta informação.

“O promotor de justiça Jean Carlos Rosário decretou, nesta segunda-feira, a prisão da lutadora de MMA Polyanna Viana pelo crime de lesão corporal grave e excesso de legítima defesa, quando a mesma reagiu a uma tentativa de assalto e espancou brutalmente o jovem que tentou roubar seus pertences”, diz uma publicação do site O Congresso, replicada em outros blogs.

Captura de tela de um post no Instagram de Dana White, presidente do UFC, sobre o assalto a Polyana Viana, feita 9 de janeiro de 2019

Não houve ou há ordens de prisão contra Polyana Viana

No último sábado à noite, a “Dama de Ferro”, como é conhecida entre o público do Ultimate Fighting Championship (UFC), foi surpreendida fora de sua casa por um homem que tentou roubá-la com um arma (que resultou ser falsa). Viana revidou a agressão e imobilizou o assaltante até a chegada da Polícia Militar (PM).

No entanto, a lutadora jamais recebeu nenhuma notificação de prisão. Contatada pela AFP, Viana declarou: “Sei que postaram [essa informação] em um site, mas não houve nenhuma notificação”.

O boato, sem nenhuma evidência que o respalde, gerou preocupação. “Fiquei sabendo [da notícia] na segunda à noite. Fiquei nervosa. Mandei para todo mundo para saber se alguém me ajudava. Todo mundo fala que é fake, mas até agora não sei se é verdade ou não”, disse a lutadora paraense à equipe de checagem da AFP.

O promotor mencionado não existe

Entre os 895 promotores de justiça no Rio de Janeiro, a AFP não encontrou nenhum chamado “Jean Carlos Rosário”. Contatada pela AFP, a assessoria de comunicação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) manifestou: “A notícia é completamente falsa. Esse promotor não existe e a lutadora não é alvo de nenhum tipo de procedimento”.

A lutadora Polyana Viana posa para uma foto em Belém, estado do Pará, Brasil, no dia 31 de janeiro de 2018, dias antes de sua estréia no UFC (HO / Inpress / AFP)

O assaultante não foi solto

O artigo também menciona que “o assaltante Max Gadelha Lopes foi ouvido pela polícia no hospital e foi liberado”. No entanto esta versão também é falsa. Contatada pela AFP, a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) esclareceu: “Após audiência de custódia [do assaltante], sua prisão em flagrante foi convertida em prisão preventiva no dia 7 [de janeiro de 2019] e foi encaminhado à avaliação médica”.

Mais uma história falsa

Ainda que Polyana Viana, lutadora de UFC, tenha reagido a uma tentativa de assalto e gerado ferimentos no agressor, nunca teve uma ordem de prisão emitida contra ela e o suposto perpetrador não foi posto em liberdade depois de detido pela PM.

A equipe de checagem da AFP no Brasil já desmentiu histórias falsas sobre a prisão de pessoas que reagiram a assaltos.

No final desta investigação, a AFP, baseado no que investigou, informou Polyana Viana sobre a não existência de qualquer procedimento judicial contra a mesma por conta de ter reagido ao assalto.

AFP Brasil