Imagens de pessoas nadando em canal de transposição do rio São Francisco são de 2017

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

“Com Bolsonaro deserto vira praia”, diz legenda que acompanha imagens de pessoas se banhando em um canal de transposição do rio São Francisco, compartilhadas milhares de vezes em redes sociais após o presidente Jair Bolsonaro inaugurar um trecho da obra de infraestrutura hídrica. As fotos datam, contudo, do início de 2017, quando o então presidente Michel Temer finalizou uma outra parte do projeto.

“Transposiçao do Rio São Francisco virou uma piscina na caatinga do nordeste! O homem disse quem em 2 anos ia mandar água e mandou mesmo. Com Bolsonaro deserto vira praia.. [sic], escreveu um usuário ao publicar as duas imagens no Facebook. “Bolsonaro tem muitos defeitos, mas ele conseguiu botar praia no deserto”, diz outra postagem.

Mensagens semelhantes se multiplicam no Facebook (1, 2, 3) e Twitter (1, 2), somando mais de 4 mil compartilhamentos desde o último dia 5 de julho. 

Captura de tela feita em 6 de julho de 2020 mostra imagens publicadas no Facebook

Outras versões, replicadas mais de 20 mil vezes, não mencionam Bolsonaro (sem partido), mas ganharam força após o presidente inaugurar o primeiro trecho do Projeto de Integração do Rio São Francisco no estado do Ceará, no último dia 26 de junho.

As imagens compartilhadas nas redes não retratam, contudo, a parte da obra finalizada por Bolsonaro.

Uma busca reversa no Google por registros anteriores das fotos leva a múltiplos artigos (1, 2, 3) publicados em março de 2017. Segundo os textos, as imagens mostram moradores de Sertânia, em Pernambuco, comemorando a chegada da água do Velho Chico à cidade. “Mesmo com placas que não permitem o banho no local devido ao risco de afogamento, os moradores não se contiveram de felicidade e partiram para o mergulho refrescante”, descreve um dos textos.

Nos sites ambas as fotos são creditadas ao blog Sertânia Vip, que não está mais no ar. Em uma versão arquivada do portal, acessada por meio da ferramenta Internet Archive, é possível ver que a matéria “mais popular” do blog em 28 de fevereiro de 2017 era intitulada: “O blog Sertânia Vip foi o único a registra [sic] a chegada das águas do rio São Francisco em Sertânia com exclusividade”.

Em alguns dos artigos é possível ver, ainda, a marca d’água do antigo blog nas fotos agora viralizadas. 

Captura de tela feita em 6 de julho de 2020 mostra imagem viralizada publicada em 3 de março de 2017

Em março de 2017, o governo do então presidente Michel Temer (PMDB) realmente inaugurou oficialmente o reservatório que levou  água do rio São Francisco à cidade de Sertânia.

Devido à repercussão das imagens de pessoas se banhando no canal de transposição, o então Ministério da Integração Nacional emitiu um comunicado, publicado na época pela mídia local (1, 2).

“O Ministério da Integração Nacional tomou conhecimento de que algumas das estruturas do Projeto de Integração do Rio São Francisco estão sendo indevidamente utilizadas pela população para práticas recreativas”, diz o texto. “Nos locais, que já estavam devidamente sinalizados, a fiscalização foi reforçada e está sendo realizada uma campanha de conscientização com a população da região, por meio de carros de som e divulgação em rádios”.

Iniciado em 2007, durante o primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o Projeto de Integração do Rio São Francisco prevê a construção de aquedutos, estações de bombeamento, reservatórios e túneis para deslocar parte das águas do rio São Francisco e assim fornecer recursos hídricos a 390 municípios localizados nos estados de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba.

A obra, que já atravessa quatro governos, foi alvo de outra desinformação recentemente, também verificada pelo AFP Checamos.

Em resumo, é falso que as imagens de pessoas nadando em um canal de transposição do rio São Francisco tenham sido feitas durante o governo de Jair Bolsonaro. As fotos mostram moradores celebrando a chegada das águas do Velho Chico à Sertânia no início de 2017, governo do então presidente Michel Temer.

AFP Brasil