A imagem de uma mulher sem véu e lendo não é de uma artista afegã, é a propaganda de uma revista

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

A imagem de uma mulher sem o véu islâmico que lê e caminha na direção oposta à de pessoas usando burcas foi compartilhada mais de 355 mil vezes nas redes sociais ao menos desde 18 de agosto de 2021, após os talibãs tomarem o poder no Afeganistão. As publicações afirmam que se trata de uma ilustração da artista afegã Shamsia Hassani, em protesto pela situação em seu país. Mas, na realidade, corresponde a uma campanha publicitária de 2018 de uma revista tcheca. Além disso, Hassani desmentiu a autoria.

“Obra de uma artista afegan que se chama Shamsia Hassani, 33 anos, grafiteira afegã e professora na Universidade de Cabul Se compartilharmos, estaremos lhe dando voz e a todas as mulheres afegãs que estão vivendo o inferno”, indica a legenda de uma das publicações compartilhadas no Facebook (1, 2, 3) e no Twitter (1, 2, 3) com a ilustração.

Postagens semelhantes circulam desde meados de agosto no Instagram (1, 2, 3) e também foram encontradas em espanhol, francês e inglês.

Captura de tela feita em 15 de setembro de 2021 de uma publicação no Facebook ( . / )

O conteúdo começou a ganhar viralidade depois que os talibãs, grupo islamita sunita, tomaram o poder no Afeganistão, após a saída das tropas norte-americanas no último mês de agosto, depois de duas décadas de guerra. Os talibãs têm sido questionados por suas ações contra os direitos humanos e contra as mulheres.

Campanha publicitária

Uma busca reversa pela imagem na ferramenta TinEye levou a um site em tcheco que indica que a ilustração fazia parte de uma campanha publicitária de 2018 da revista Reporter Magazine, daquele país, produzida pela agência de publicidade Y&R.

Na imagem observa-se que o que a mulher está lendo tem, na verdade, uma capa da revista tcheca, e não uma capa totalmente vermelha, como visto nas publicações viralizadas.

Além da ilustração da mulher sem o véu lendo a revista, há duas imagens no mesmo estilo que fazem parte da campanha publicitária: a de um soldado indo na direção contrária à de seu pelotão e a de um homem também na direção oposta em um protesto. Ambos leem a revista.

Uma pesquisa no Google pelo nome da revista e da agência mostrou como resultado uma publicação em um site especializado em campanhas publicitárias. A ilustração foi intitulada “Questionando o radicalismo”, em tradução livre do inglês, e o nome do fotógrafo responsável aparece como “JPavel Hejny”.

As imagens também aparecem na página do fotógrafo tcheco. Em sua conta no Facebook ele compartilhou uma publicação com a ilustração viralizada, na qual é parabenizado por ganhar um prêmio em publicidade.

Além disso, a artista urbana afegã Shamsia Hassani desmentiu em suas redes sociais que a ilustração fosse de sua autoria. “Sei que quiseram me apoiar e apoiar meu trabalho artístico, mas, por favor, certifiquem-se de dar o crédito ao verdadeiro artista”, escreveu.

Afeganistão