( . / )

Vídeo de confronto em frente ao STF em 2019 circula ligado a protestos de setembro de 2021

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Um vídeo que mostra apoiadores do presidente Jair Bolsonaro supostamente “correndo da polícia” em Brasília foi compartilhado mais de 800 vezes a partir de 5 de setembro de 2021 nas redes sociais como se a ação policial tivesse ocorrido dias antes dos protestos de 7 de setembro. No entanto, a gravação é originalmente de 25 de setembro de 2019, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) discutia um caso da operação Lava Jato.

“Mentiram, os bolsominions correndo da polícia. Não querem AI-5. Não querem que o militarismo tome conta? Jahahaha. Hoje isso”, diz uma das publicações compartilhadas no Twitter (1, 2), no Facebook (1, 2)  e no YouTube.

Captura de tela feita em 6 de setembro de 2021 de uma publicação no Facebook ( . / )

As alegações começaram a circular nas redes sociais dois dias antes dos atos convocados para 7 de setembro de 2021, quando apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e opositores saíram às ruas em manifestações contra as instituições e o sistema eleitoral brasileiro.

O mesmo vídeo, no entanto, já tinha circulado em outubro de 2019 e verificado pelo AFP Checamos.

Uma busca reversa no Google por capturas de tela da gravação localizou o mesmo vídeo publicado em 26 de setembro de 2019 em um site de notícias. O texto indica que a gravação foi feita no dia anterior, 25 de setembro, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Uma pesquisa no Twitter por fotos e vídeos publicados a partir de Brasília nessa data localizou diversas imagens (1, 2) nas quais é possível identificar os mesmos cartazes vistos na gravação viralizada, como demonstrado no exemplo abaixo. 

Comparação entre capturas de tela de um vídeo no Facebook (E) e a gravação no Twitter feita em 09 de setembro de 2021 ( . / )

Em outubro de 2019, a Polícia Militar do Distrito Federal confirmou à AFP que o vídeo foi gravado em 25 de setembro daquele ano.

Naquele dia, grupos antagônicos protestaram em frente ao STF, enquanto a corte discutia um caso que poderia anular dezenas de condenações da operação Lava Jato. 

Em nota enviada à AFP, a Polícia Militar do DF afirmou que manifestantes hostilizaram os agentes presentes “atirando pedras e pedaços de paus” e deixando um policial ferido. “Foi necessária a utilização de meios de dissuasão, a fim de conter a investida antidemocrática”, disse a PM.