Gleisi Hoffmann não disse que a seca no Nordeste é “cultural”; é falso o tuíte viralizado

Copyright © AFP 2017-2021. Todos os direitos reservados.

Publicações compartilhadas milhares de vezes em redes sociais desde o início de abril asseguram que a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disse que a seca no Nordeste “não deve ser destruída” por ser cultural e “quase um patrimônio”. Isso é falso. As postagens, que já haviam circulado em janeiro de 2019, se baseiam em um tuíte publicado por uma conta falsa da jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo. Não há qualquer outro registro de que a deputada federal petista tenha dado tal declaração.

Compartilhadas mais de 3 mil vezes no Facebook (1, 2, 3) e Instagram (1, 2, 3) desde o último dia 5 de abril, as publicações difundem uma captura de tela de um tuíte supostamente escrito pela jornalista:

“O PT entrou com uma liminar, pedindo a anulação do Projeto do Bolsonaro com Israel para acabar com a seca no Nordeste, ‘a seca no Nordeste é cultural, quase um patrimônio e não deve ser destruída’, disse Gleisi Hoffmann”.

Nos comentários, usuários expressaram indignação com a suposta declaração de Gleisi. “Não querem acabar com a indústria da seca? Misericórdia!”, escreveu um deles. 

Captura de tela feita em 8 de abril de 2021 de uma publicação no Facebook

O tuíte que embasa a alegação é, no entanto, falso.

Ao analisar a captura de tela viralizada é possível perceber que a mensagem foi publicada por um perfil que utiliza o nome “Mônica Bengamo” e não “Mônica Bergamo”, grafia correta do sobrenome da jornalista.

Além disso, não há ao lado do nome do usuário o selo azul de verificação do Twitter, que autentica contas de interesse público, como a da colunista da Folha de S.Paulo.

Comparação feita em 8 de abril de 2021 entre a captura de tela viralizada no Facebook e um tuíte publicado pela jornalista Mônica Bergamo

Uma busca no Twitter pelo texto exato do tuíte viralizado mostra que a conta que havia publicado a mensagem foi suspensa da rede social por violar suas regras. É possível confirmar que trata-se do mesmo usuário devido a uma captura de tela publicada em nota do PT, na época da primeira viralização do conteúdo. O AFP Checamos buscou registros do tuíte nos serviços Internet Archive e Archive.is mas não obteve resultados.

A notícia sobre a suposta declaração não consta, por sua vez, na conta oficial de Bergamo na plataforma, ou em suas colunas no site da Folha de S.Paulo. De maneira semelhante, a fala não foi reportada por outros veículos de comunicação, como foi possível constatar com uma busca avançada no Google.

Em janeiro de 2019, quando o conteúdo circulou pela primeira vez, Gleisi Hoffmann negou ter dado tal declaração a qualquer jornalista.

No mesmo dia, Bergamo alertou para a existência de páginas falsas com sua foto,  “nome e marca quase idêntica à da Folha”. “Tentam usar a credibilidade de nosso trabalho jornalístico p[ara] enganar as pessoas”, comentou.

Em 25 de dezembro de 2018, alguns dias antes do conteúdo começar a circular pela primeira vez, Bolsonaro havia anunciado que seu futuro ministro de Ciência e Tecnologia, o astronauta Marcos Pontes, iria a Israel para visitar instalações de dessalinização de água, em busca de parcerias para combater a seca no Nordeste.

O projeto foi criticado por Gleisi, que chamou atenção para a diferença de tamanho entre Israel e a região brasileira, e afirmou que as empresas israelenses não teriam “conhecimento da nossa realidade”.

O AFP Checamos não localizou, no entanto, qualquer registro de que o PT tenha entrado com uma liminar contra a parceria, como também afirmam as publicações viralizadas.

Procurada em 8 de abril, a assessoria de imprensa do PT negou a alegação: “O Partido dos Trabalhadores não patrocinou nem pretende patrocinar qualquer ação judicial neste sentido”.

Após a passagem de Marcos Pontes por Israel, o governo federal inaugurou o Centro de Testes de Tecnologias de Dessalinização de Água, na Paraíba, para avaliar opções de combate à seca no Nordeste.

Conteúdo semelhante a este já foi verificado pelos sites Aos Fatos e Agência Lupa.