Foto de evacuação de hospital após incêndio em 2010 viraliza fora de contexto

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Uma fotografia de pessoas deitadas em macas e aglomeradas no que parece ser um saguão de hospital voltou a viralizar nas redes sociais no início de 2021 com a afirmação de que se trata de um registro feito em 2013, “quando o Lula era presidente”. Mas isto é enganoso: a imagem foi feita em abril de 2010, após um princípio de incêndio e um apagão atingirem o Instituto Doutor José Frota, em Fortaleza, levando à evacuação do local.

“ATENDIDOS NO CHÃO!!! CALMA PESSOAL ESSA CENA É DE 2013 QUANDO O LULA ERA PRESIDENTE E NÃO HAVIA CORONA VÍRUS”, diz o texto que acompanha a imagem de um espaço lotado de pacientes e acompanhantes, além de profissionais de saúde. 

Compartilhadas mais de 3,2 mil vezes no Facebook desde meados de 2020 e voltando a circular em janeiro de 2021, as publicações também foram encontradas no Instagram (1, 2), onde os usuários demonstram indignação.

Captura de tela feita em 3 de janeiro de 2021 de uma publicação no Facebook

Essa imagem viralizou igualmente nas redes (1, 2, 3) com a descrição de que seria uma cena registrada em 2016, ironizando que estes eram os “bons tempos em que a saúde estava ‘bem’ e a imprensa noticiava nada a respeito”.

Uma busca reversa pela imagem no Google levou a uma publicação no blog “Paulo Vasconcelos - Renovando com Ética e Fé”, à época vereador eleito por Sobral, no Ceará, com data de 7 de abril de 2010 e intitulada “Fogo no IJF – Instituto Doutor José Frota”, sendo este o registro mais antigo da foto encontrado pela equipe de checagem da AFP.

Ilustrado com a mesma imagem que viralizou nas redes sociais em 2020 e 2021, o texto indica que houve um “incêndio e apagão nessa noite de terça-feira [6 de abril de 2010] no Instituto Doutor José Frota (IJF)”

Em seu artigo, Vasconcelos cita o vereador de Fortaleza Plácido Filho, que fez críticas à gestão da então prefeita Luizianne Lins: “Nunca na história dessa cidade vimos uma situação de guerra como presenciamos no IJF. O que aconteceu foi resultado do descaso da Prefeitura com aquele hospital, que é referência no Nordeste e a maior emergência do Ceará”.

Para confirmar o contexto da fotografia, o Checamos entrou em contato com a assessoria de imprensa do Instituto Doutor José Frota, que esclareceu que a “ocorrência foi registrada em 2010”.

Este caso foi noticiado por veículos de comunicação (1, 2, 3) que informaram que o incêndio começou na tarde de 6 de abril de 2010, quando um curto-circuito provocou problemas no fornecimento de energia do hospital, levando a um apagão.

No portal do governo do Ceará uma matéria menciona que o incêndio ocorrido no IJF se deu por uma pane no sistema elétrico após um curto-circuito danificar dois capacitores.  

Ainda segundo a imprensa, alguns pacientes da emergência e das áreas afetadas precisaram ser levados à área externa, assim como médicos e pessoas em condições de andar.

Em 2013, data mencionada nas postagens viralizadas, quem chefiava o país era Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), não Lula, como também é afirmado. Contudo, na data em que a imagem foi de fato registrada, abril de 2010, Luiz Inácio Lula da Silva era o chefe de Estado.

O Instituto Doutor José Frota, entretanto, não é de responsabilidade do governo federal, mas do governo municipal. Em 2011, durante uma sessão na Câmara Municipal, um vereador sugeriu que a prefeitura de Fortaleza deixasse o IJF sob o comando do governo estadual ao fazer uma série de críticas à então prefeita Luizianne Lins, do PT.

Este conteúdo também foi verificado pelas equipes da Agência Lupa e do E-farsas.

Em resumo, a imagem viralizada nas redes mostrando pacientes aglomerados do lado de fora de um hospital foi registrada após ocorrer um princípio de incêndio e um apagão no Instituto Doutor José Frota, em Fortaleza, em 6 de abril de 2010. Além disso, o IJF é de responsabilidade da prefeitura, e não do governo federal.

EDIT 18/01/2021: Acrescenta um parágrafo sobre as publicações que mencionam que a foto seria de 2016
AFP Brasil