Embora estas fotos tenham sido feitas no Rock in Rio, nenhuma delas é da edição de 2019

Fotografias compartilhadas mais de 286 mil vezes nas redes sociais neste primeiro final de semana de Rock in Rio mostram uma grande quantidade de lixo supostamente espalhado na edição de 2019. Entretanto, duas fotos foram tiradas na edição de 2011 e as outras quatro, na de 2013, mas nenhuma de 2019. De acordo com levantamento da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), 162,2  toneladas de resíduos foram coletadas até agora nos três primeiros dias de festival, além do evento-teste.

“Rock in Rio: O povo que gritava 'Salvem a Amazônia!' deixou mais de 30 toneladas de lixo. Querem salvar a Amazônia, mas não juntam o próprio lixo", dizem as publicações (1, 2, 3), acompanhadas pelas imagens da enorme quantidade de lixo espalhada, em tese, na edição deste ano do festival. No Twitter, as imagens (1) também se espalharam.

Por meio do mecanismo de busca reversa*, a equipe de verificação da AFP no Brasil constatou que as fotografias compartilhadas mostram as edições de 2011 e 2013 do festival, realizadas no Rio de Janeiro, e ilustram matérias em veículos de comunicação a respeito da grande quantidade de lixo gerada em cada uma delas.

Montagem feita em 30 de setembro de 2019 mostra fotografias viralizadas nas redes sociais

As imagens 1 e 2 foram feitas na edição de 2011 do Rock in Rio, quando o festival voltava a sua cidade de origem depois de 10 anos.

A foto que mostra a icônica roda gigante do Rock in Rio pôde ser encontrada no site do BOL ilustrando um texto de 2013 que falava de uma iniciativa do evento de distribuir sacolas ecológicas para evitar que as pessoas jogassem lixo no chão. Mas a legenda da imagem questão diz: “No Rock in Rio de 2011, a Cidade do Rock amanhecia com lixo espalhado pelo chão”.

A segunda fotografia também foi feita durante a edição de 2011, como mostra este artigo publicado pelo portal G1. Assim como no caso anterior, ela foi usada para ilustrar a quantidade de lixo recolhida pela Comlurb durante o festival naquele ano.

Uma notícia publicada pelo site oficial da Prefeitura do Rio de Janeiro indicava que em sete dias de trabalho na edição de 2011, além da limpeza prévia, foram recolhidas 381 toneladas de resíduos.

Já as quatro fotografias seguintes foram feitas na edição de 2013, quando o festival passou a acontecer a cada dois anos no Rio de Janeiro.

Montagem feita em 30 de setembro de 2019 mostra fotografias viralizadas no Facebook

As imagens 3, 4, 5 e 6 foram encontradas no portal de notícias G1, no site da Veja, do R7 e do Extra, respectivamente, e as matérias que ilustram tratam da enorme quantidade de itens que não foram parar nas lixeiras, apesar dos esforços do festival na campanha contra o lixo no chão.

Publicado pelo próprio site do Rock in Rio, um balanço dos sete dias de evento em 2013 mostrou que 183,7 toneladas de resíduos foram recolhidos durante o festival.

Rock in Rio 2019

O AFP Checamos entrou em contato com a assessoria de imprensa da Comlurb para saber dos números de lixo recolhido neste primeiro final de semana de festival. Segundo a companhia, 162,2 toneladas de resíduos foram coletadas, sendo 96,3 de materiais potencialmente recicláveis.

Por dia, estes números foram: 46,5 toneladas na sexta-feira, 27, primeiro dia de festival, e no evento-teste, realizado no dia 24; 53,6 toneladas no sábado e 62,1 no domingo.

O festival ainda terá mais quatro dias de shows, que serão retomados na quinta-feira, 03/10, com bandas como Red Hot Chili Peppers, Iron Maiden, Pink e Muse se apresentando no Palco Mundo.

No site do Rock in Rio há uma área dedicada à questão da sustentabilidade e ao projeto Amazonia Live. Nesta seção é possível ver um plano de ação para lidar, entre outros pontos, com a quantidade de resíduo gerado.

Em resumo, é enganoso atribuir essas fotografias à quantidade de lixo espalhado durante a edição do Rock in Rio de 2019. As imagens, embora feitas durante o festival, foram capturadas nos anos de 2011 e 2013.

*Uma vez instalada a extensão InVid no navegador Chrome, clica-se com o botão direito sobre a imagem e o menu que aparece oferece a possibilidade de pesquisa da mesma em vários buscadores.

AFP Brasil