O presidente Lula não exonerou oito mil militares na primeira semana de governo, em 2023

  • Este artigo tem mais de um ano.
  • Publicado em 6 de janeiro de 2023 às 20:27
  • 2 minutos de leitura
  • Por AFP Brasil
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não “exonerou” oito mil militares desde que tomou posse, em 1º de janeiro de 2023, como alegam publicações compartilhadas milhares de vezes desde o último dia 3 de janeiro. Na verdade, até o momento, o governo federal destituiu “cerca de 1,2 mil cargos comissionados”, entre militares e civis, como informou a Secretaria de Comunicação da Presidência da República ao AFP Checamos.

“8.000 militares exonerados pelo governo federal”, diz a legenda de uma das publicações compartilhadas no Twitter e no Facebook.

A mensagem acompanha a captura de tela da edição extra do Diário Oficial da União (DOU) de 2 de janeiro de 2023. No registro, é possível ler: “Portarias de 1º de janeiro de 2023”.

Image
Captura de tela feita em 5 de janeiro de 2023 de uma publicação no Twitter ( .)

O conteúdo circula após Lula assumir o seu terceiro mandato na Presidência da República.

Uma busca pela edição extra do DOU replicada nas redes mostra que, de fato, o documento continha uma lista de servidores dispensados. Mas o total é consideravelmente inferior ao citado nas redes.

A AFP contabilizou o número de servidores listados na edição extra do DOU e chegou a um total oito vezes menor do que o viralizado: 980.

Contatada, a assessoria de imprensa da Presidência da República confirmou que a informação compartilhada nas redes “não procede” e citou um número próximo ao encontrado pela AFP. “Foram exonerados, até agora, cerca de 1,2 mil cargos comissionados”, informou, por e-mail, em 4 de janeiro de 2023.

Uma análise dos nomes que constam no documento mostra, além disso, que esses cargos não eram somente de militares, mas também de civis, como o presidente e a diretora-executiva do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cuja exoneração também foi noticiada pela imprensa (1, 2).

O último levantamento, de julho de 2020, realizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) identificou 6.157 militares da ativa e da reserva em cargos civis no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Ao Checamos, o TCU informou que o levantamento foi feito a pedido do ministro do Tribunal, Bruno Dantas. “Foi realizado levantamento do quantitativo de militares, ativos e na reserva, que compunham os cargos civis do governo, conforme arquivo anexo. Não há processo autuado tratando do tema e os dados não foram atualizados”.

O documento mostra que durante o governo Bolsonaro o contingente de militares em cargos comissionados dobrou, saindo de 3.200 militares em 2016 para 6.157 em 2020.

Este conteúdo também foi verificado pelo Aos Fatos.

Há alguma informação que você gostaria que o serviço de checagem da AFP no Brasil verificasse?

Entre em contato conosco