Bolsonaro não gastou R$ 15 milhões em leite condensado; valor é de todo o Executivo

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Após o jornal Metrópoles divulgar, no último dia 24 de janeiro, os valores gastos pelo governo federal com produtos alimentícios em 2020, usuários passaram a compartilhar a alegação de que o presidente Jair Bolsonaro gastou, sozinho, R$ 15 milhões com leite condensado no mesmo período. Isso não é verdade. Esse valor se refere a quanto foi gasto por todos os órgãos do Executivo com o produto. Deste total, 94,85% foi gasto, na realidade, pelo Ministério da Defesa.

“Em 2020 Bolsonaro gastou 15 milhões com leite condensado, isso corresponde a 2.500.000 latas no valor de 6 conto a unidade. Bolsonaro comeu 6.849.32 latas por dia!”, diz o texto replicado mais de 4 mil vezes no Facebook (1, 2, 3) e no Instagram desde o último dia 26 de janeiro.

O conteúdo faz referência a um levantamento publicado pelo jornal Metrópoles que revelou gastos do poder Executivo em 2020, segundo registrado no Painel de Compras, atualizado pelo Ministério da Economia.

Entre os gastos destacados estão R$ 2,2 milhões com goma de mascar, R$ 5 milhões com uva passa e R$ 15 milhões com leite condensado. O produto ficou muito associado a Bolsonaro depois que ele apareceu em uma reportagem comendo pão com leite condensado durante a campanha presidencial.

Captura de tela feita em 27 de janeiro de 2021 de uma publicação no Facebook

Esses gastos não são, contudo, exclusivos da Presidência da República. 

Uma consulta ao Painel de Compras do governo permitiu confirmar que o Executivo gastou R$ 15.641.777 com leite condensado em 2020. Essa despesa engloba, no entanto, todos os órgãos sob comando do presidente Jair Bolsonaro, entre eles 23 ministérios.

Como detalhado no próprio Painel de Compras, desses R$ 15,6 milhões, R$ 14,2 foram gastos, na verdade, pelo Ministério da Defesa. Em seguida, vem o Ministério da Educação, com pouco mais de R$ 1 milhão, o Ministério da Justiça, com cerca de R$ 327 mil e o Ministério da Saúde, com R$ 51 mil. 

A Presidência, em si, não figura na lista de órgãos que adquiriram leite condensado, segundo registrado no portal.

Captura de tela feita em 27 de janeiro de 2021 do Painel de Compras do governo

O AFP Checamos procurou o Ministério da Defesa em 27 de janeiro para esclarecer o montante gasto com o produto, mas não obteve retorno.

No entanto, em nota publicada no mesmo dia, a pasta informou que deve “por lei, prover alimentação aos militares em atividade”, que totalizam 370 mil homens e mulheres realizando três refeições todos os dias em organizações militares pelo país.

Ainda segundo o ministério, o valor gasto com alimentação por militar é de R$ 9 por dia. Em um ano, esse valor chega a mais de R$ 1,2 bilhão.

“O leite condensado é um dos itens que compõem a alimentação por seu potencial energético. Eventualmente, pode ser usado em substituição ao leite. Ressalta-se que a conservação do produto é superior à do leite fresco, que demanda armazenamento e transporte protegido de altas temperaturas”, indicou a pasta.

Após a viralização das despesas, o secretário de Comunicação Institucional do governo federal, Felipe Pedri, também comentou que os “gastos com alimentação competem a uma extensa lista de servidores do exército e até de programas assistenciais do Governo”.

Os ministérios da Justiça e da Saúde não retornaram ao pedido de informação da AFP. O Ministério da Educação informou, por outro lado, que os gastos alimentares atribuídos à pasta no Painel de Compras se referem a despesas de universidades e institutos federais de ensino.

Este conteúdo também foi verificado pela equipe do Aos Fatos.

Em resumo, é enganoso afirmar que o presidente Jair Bolsonaro gastou R$ 15 milhões com leite condensado em 2020. Esse valor se refere ao montante gasto por todos os órgãos do poder Executivo. Em sua maior parte, o valor foi gasto pelo Ministério da Defesa.

AFP Brasil