Vídeo de Alexandre de Moraes cercado por críticos é de 2016, antes de integrar o STF

Copyright © AFP 2017-2023. Todos os direitos reservados.

Uma gravação na qual o atual ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes é cercado e criticado por diversas pessoas enquanto caminha na rua com seguranças voltou a circular nas redes sociais em abril de 2022, somando mais de 17 mil compartilhamentos. Segundo as publicações, o ministro estava “testando sua popularidade”. O vídeo viral, contudo, é de março de 2016, quando Alexandre de Moraes era secretário de Segurança Pública de São Paulo.

“Xandão deve estar em seus últimos dias como Ministro, ele deveria ser candidato a cargo eletivo já que vem se destacando como político. Com essa popularidade será que ele ganha?” e “Ontem, na Av Paulista, o Xandão fez o teste de popularidade. Deu ruim”, indicam as legendas de publicações no Facebook (1, 2) e Twitter desde o último dia 30 de abril.

O vídeo, que já havia viralizado em 2021, também circula no YouTube (1, 2), TikTok e Kwai.

Captura de tela feita em 2 de maio de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

Embora a sequência realmente mostre Alexandre de Moraes, na data em que a cena foi registrada, março de 2016, ele era secretário de Segurança Pública do governo de São Paulo, cargo que ocupou de janeiro de 2015 a maio de 2016.

Moraes assumiu como ministro do STF apenas um ano depois, em março de 2017, ao ser indicado pelo então presidente Michel Temer (2016-2018). 

Uma busca no Google pelas palavras-chave “vídeo + Alexandre de Moraes + xingado + carro” mostrou como resultado uma sequência filmada pela Folha de S.Paulo e difundida em 17 de março de 2016.

Intitulado “Secretário da Segurança de SP é vaiado e deixa av. Paulista sob escolta policial”, o vídeo contém o trecho atualmente viralizado nas redes sociais. Na legenda há, ainda, a seguinte afirmação: “Moraes dava entrevista quando foi cercado e xingado de ‘fascista’, ‘vagabundo’ e ‘oportunista’ por manifestantes que protestam contra o governo de Dilma Rousseff”.

A sequência viral começa aos 50 segundos do registro feito pela Folha de S.Paulo. Pouco antes, uma legenda sobreposta ao vídeo destaca o nome de Alexandre de Moraes e o cargo que ocupava na época.

Uma comparação entre dois momentos diferentes dos registros permite observar os mesmos detalhes, inclusive ao final, quando há os créditos de fotografia e edição.


Comparação feita em 2 de maio de 2022 entre uma gravação no Twitter (E) e o vídeo original da Folha de S.Paulo de 2016 ( . / )

O jornal paulista, inclusive, publicou uma matéria sobre o episódio no mesmo dia 17 de março de 2016, apontando que, “sob vaias, Moraes precisou ser escoltado por policiais para entrar em seu carro, que foi alvo de socos e pontapés”

As postagens voltaram a circular após o STF condenar o deputado federal pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB-RJ) Daniel Silveira a oito anos e nove meses de prisão pelos “crimes de ameaça ao Estado Democrático de Direito e coação no curso do processo”.

O relator do processo é o ministro Alexandre de Moraes, alvo da desinformação.

O Checamos já verificou (1, 2) outras alegações envolvendo o ministro.

2 de maio de 2022 Atualiza com nova viralização e contexto