Chamas afetam biomas brasileiros em 2020, mas nem todas estas imagens são atuais

Copyright © AFP 2017-2020. Todos os direitos reservados.

Para chamar atenção para os graves incêndios florestais que têm atingido o Pantanal, a floresta amazônica, a Chapada dos Guimarães e o município de Tangará da Serra em agosto e setembro de 2020, usuários passaram a compartilhar registros de chamas consumindo biomas nas redes sociais. No entanto, nem todas as imagens viralizadas retratam a situação atual.

“Amazônia em chamas… Pantanal em chamas… Chapada dos Guimarães em chamas… Tangará da Serra em chamas… Minha alma em chamas…”, dizem as postagens compartilhadas mais de 7 mil vezes no Facebook (1, 2, 3) desde o último dia 11 de setembro.

A mensagem, replicada também no Twitter, é acompanhada por até seis fotos de chamas consumindo vegetações.

Captura de tela feita em 14 de setembro de 2020 de uma publicação no Facebook

O Pantanal, bioma de vegetação úmida localizado nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, registrou este ano número recorde de focos ativos de incêndios, com 14.764 entre janeiro e 13 de setembro. 

Estas cinco fotografias foram feitas pela AFP nesta região entre agosto e setembro de 2020.

A floresta amazônica também tem tido alto índice de chamas, com 62.627 focos ativos no mesmo período. Para comparação, de janeiro ao final de setembro do ano passado, quando os incêndios na Amazônia tiveram destaque internacional, foram registrados 66.749 focos.

Incêndios críticos também foram combatidos nos municípios da Chapada dos Guimarães e de Tangará da Serra, ambos no Mato Grosso, desde o final de agosto.

No entanto, apenas uma das imagens destas publicações viralizadas registra o cenário atual.

Brasília, 2014

Uma busca reversa pela foto de um pássaro em primeiro plano com chamas ao fundo no Google levou a uma reportagem publicada no site de notícias UOL em setembro de 2014. No texto a imagem é creditada ao fotógrafo Ueslei Marcelino, da agência Reuters.

Uma pesquisa no banco de imagens dessa agência permite confirmar a autoria da foto e identificar quando e onde a imagem foi feita: em 12 de setembro de 2014, perto do bairro de Sobradinho, em Brasília.

Comparação feita em 14 de setembro de 2020 entre foto publicada no Facebook (esquerda) e foto publicada no banco de imagens da agência Reuters em 12 de setembro de 2014

“Seca, altas temperaturas, e áreas de baixa umidade têm causado incêndios em vários locais em Brasília, de acordo com os bombeiros que apagam as chamas”, indica a legenda.

Parque da Chapada Imperial, 2010

Uma pesquisa também reversa pela foto de um homem bebendo água durante um incêndio mostra, por sua vez, que ela foi publicada em setembro de 2010 no site do jornal Estado de S.Paulo.

A legenda indica que o clique foi feito pelo fotógrafo Celso Junior em 6 de setembro de 2010, no parque da Chapada Imperial em Brazlândia, cidade satélite de Brasília.

Comparação feita em 14 de setembro de 2020 entre imagem publicada no Facebook (esquerda) e foto publicada em 19 de setembro de 2010 no jornal Estado de S.Paulo

Segundo reportado na época, esse incêndio consumiu até 95% da reserva, uma das maiores da capital, e teria sido provocado por um fazendeiro que ateou fogo na área para preparar o pasto.

Pantanal, 2017

Uma terceira imagem, na qual chamas consomem árvores, realmente mostra um incêndio no Pantanal, mas em 2017, como indicou uma busca reversa no Google. A foto foi publicada em 30 de agosto daquele ano no site do governo do Mato Grosso.

Segundo informou o portal oficial, a imagem foi feita pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso (CBMMT) durante um incêndio que atingia a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), em Barão de Melgaço, parte do Pantanal.

Comparação feita em 14 de setembro de 2020 entre imagem publicada no Facebook (esquerda) e foto publicada no site do governo do Mato Grosso em 30 de agosto de 2017

Na época, as possíveis causas consideradas estavam relacionadas à coleta de isca na beira do rio, queimada de roça sem monitoramento, retirada do mel com fogo ou ação criminosa.

Foto de 2012

Uma busca pelo registro mais antigo da quarta imagem com a ferramenta TinEye mostra, por sua vez, que ela foi publicada em 1º de março de 2012 no banco de imagens iStock.

A legenda da foto não especifica quando ou onde ela foi tirada, informando se tratar apenas de uma “queimada controlada de pradaria ou de um prado de flores silvestres”.

Comparação feita em 14 de setembro de 2020 entre imagem publicada no Facebook (esquerda) e foto publicada no banco iStock em 1º de março de 2012

Brasília, 2010

A quinta imagem, na qual é possível ver a silhueta de um homem com uma pá na frente de um incêndio, foi localizada no banco de imagens da European Pressphoto Agency (EPA).

O registro foi feito pelo fotógrafo Fernando Bezerra Jr. em 25 de agosto de 2010, em Brasília. Segundo a legenda, a imagem mostra um “bombeiro criando um fogo controlado em campos próximos à capital brasileira”.

Comparação feita em 14 de setembro de 2020 entre imagem publicada no Facebook (esquerda) e foto publicada no banco de imagens da European Pressphoto Agency (EPA)

“A operação visa reduzir os danos que poderiam ser causados por um cigarro aceso ou por outros meios, devido à baixa umidade que afeta a maior parte das regiões brasileiras”, continua a legenda.

Chapada dos Guimarães, 2020

A imagem de uma linha de fogo sobre uma estrutura rochosa é a única que retrata a situação atual.

Captura de tela feita em 14 de setembro de 2020 de uma publicação no Facebook

O registro mais antigo da foto localizado pelo AFP Checamos foi em um tuíte publicado em 31 de agosto deste ano, sobre os incêndios que afetaram o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso.

Dois dias antes, o Corpo de Bombeiros Militar do estado havia reportado o acionamento de suas equipes para combater um incêndio de grandes proporções no município.

Contactado pela equipe de checagem da AFP, o Corpo de Bombeiros de Mato Grosso confirmou que a imagem compartilhada nas redes retrata um dos incêndios recentes na Chapada dos Guimarães.

“Ao fundo é possível ver as luzes da capital, Cuiabá. Neste ano, até agora, a Chapada queimou menos que no ano passado, mas o Pantanal está nos piores incêndios da história”, afirmou um porta-voz da organização.

Em resumo, embora incêndios florestais estejam sendo registrados em diversos biomas brasileiros entre agosto e setembro deste ano, nem todas as imagens compartilhadas nas redes retratam este cenário.

AFP Brasil