Metodologia

Além das habilidades tradicionais do jornalismo, usamos uma série de ferramentas simples para verificar informações on-line, assim como o senso comum e muita cautela. 

Visamos mostrar de forma transparente os passos que seguimos ao longo do processo de verificação.

Começando com uma pergunta específica, procuramos investigar e elucidar histórias e afirmações duvidosas que podem ou não aparecer em nossos noticiários.

Os nossos editores começam tentando contactar a pessoa por trás de uma alegação, bem como checando os nossos arquivos e jornalistas.

Procuramos por informações apartidárias e publicamente disponíveis em nossas investigações e criamos um link para elas on-line.

Veja a seguir uma visão geral das técnicas que a equipe do AFP Checamos utiliza diariamente.

Rastreando a fonte

Um grande quantidade de informação falsa envolve imagens antigas tiradas de contexto.

Nestes casos, começamos com uma busca reversa pela imagem, inserindo a foto em um ou vários motores de busca para conferir se ela já apareceu anteriormente na Internet. 

Um clique com o botão direito do mouse sobre uma imagem no Google Chrome dá a opção “procurar imagem no Google”. O motor de busca irá vasculhar a sua base de dados para ver se existem imagens semelhantes em seu sistema.

Usamos regularmente e recomendamos o Invid/We Verify extension (veja abaixo), que dá opções de motores de busca de imagem, incluindo Google, Bing (Microsoft), Yandex (russo), TinEye (por imagens, não palavras-chave) e Baidu (chinês), com um simples clique no botão direito sobre a fotografia após ter instalado a extensão.

A busca reversa nem sempre dá resultados, seja porque a imagem nunca foi publicada na Internet, seja porque ela ainda não foi indexada. Às vezes, os motores de busca reversa de imagens podem ser confundidos por uma imagem que foi invertida, como a que foi encontrada nesta história sobre fotografias corujas supostamente coloridas, na qual uma delas, além de ter a sua coloração alterada, também foi invertida.

Portanto, também observamos pistas visuais, como placas de lojas, placas de rua, arquitetura, vegetação, placas de carro, para descobrir a localização ou data de uma imagem.

Como parte de uma investigação sobre um vídeo supostamente filmado na Colômbia, encontramos a localização através do Google Maps, depois de observarmos detalhes  de prédios vistos nas imagens.

Imagens ou vídeos por si só nunca são uma comprovação.  Também é necessário verificar a coerência de uma imagem com informações como a data em que foi publicada e os detalhes nela contidos, como as condições climáticas. 

Quando lidamos com imagens suspeitas, fazemos o nosso melhor para obter os arquivos originais para determinar se foram alterados.

Busca da origem de uma declaração ou citação

Muitas vezes um simples “copia e cola” do parágrafo de um texto em um motor de busca pode ajudar a descobrir se ele já circulou on-line.

Citações relacionadas a políticos são frequentemente retiradas de sites de paródia. A pesquisa em um mecanismo de busca pode levar até a fonte em segundos.

Se um comentário é atribuído a uma pessoa, procuramos uma fonte confiável (gravação de áudio ou vídeo, transcrição oficial), bem como analisamos as contas on-line da pessoa para verificação adicional. Também contactamos quem está diretamente envolvido para tentar provar sua declaração.

Ao lidar com dados quantitativos, procuramos o estudo original e sua metodologia.

Investigando vídeos

Neste caso, também usamos a extensão do Chrome InVID/We Verify, desenvolvida em conjunto com a AFP. A ferramenta permite fragmentar um vídeo em capturas de tela (por meio da aba “Keyframes”). Em seguida, realiza várias pesquisas reversas das mesmas imagens.

A ferramenta também pode ajudar se você suspeita que uma imagem foi invertida, já que o InVID permite que você a inverta (Vá em “Magnifier” → Insert your image → “More filters” → “Flip” → “Apply”).

Confirmando informações

Se uma imagem ou informação que circula na Internet parece duvidosa - especialmente se não cita uma fonte - um dos nossos primeiros passos é analisar os comentários. Alguns podem fornecer informações contraditórias, ou levantar questões sobre a veracidade de uma postagem.

Se uma pessoa ou organização é mencionada, nós a contatamos para saber a sua versão dos eventos.

Se uma publicação questionável for baseada em uma imagem ou vídeo, iremos procurar outras imagens do mesmo evento para compará-las. Buscamos também contatar o autor da imagem e, sempre que possível, localizá-lo e citá-lo.

Contatando as fontes certas

Regularmente lidamos com temas sobre os quais temos pouco conhecimento prévio. Nestes casos, pedimos o auxílio de jornalistas da AFP com experiência em um tema, região, ou idioma específico. E, além disso, trabalhamos em estreita colaboração com a equipe mundial de verificação de fatos da AFP.

Não apenas na Internet

Para algumas verificações de informação, a Internet e o telefone não são suficientes. Às vezes - como em qualquer trabalho de jornalismo - você precisa estar em campo.

Em 2018, um jornalista da AFP no Kuwait foi a campo verificar um vídeo viral que supostamente mostrava um homem saudita atacando uma recepcionista em um hospital de Londres. Como as pesquisas on-line indicavam que a ação poderia ter ocorrido em uma clínica veterinária em Kuwait City, ele foi ao local identificado na Internet e confirmou que era o mesmo, além de obter um depoimento do veterinário atacado no vídeo. Confira aqui a checagem da AFP.

Dois editores revisam cada artigo antes que ele seja publicado on-line.

Usamos ferramentas para arquivar páginas, como o Wayback Machine ou o Perma CC, para evitar aumentar os cliques em peças de desinformação e para manter um registro caso uma postagem seja editada ou desapareça.

Política de correção

Se cometermos um erro factual, iremos corrigi-lo e apontá-lo no texto original. Este estará claramente marcado como “CORREÇÃO” na parte inferior do artigo, com a data de modificação e uma explicação. Se o erro for significativo, apagaremos o texto e daremos uma explicação. Veja aqui o link com todas as correções.

Para esclarecimentos ou atualizações, usaremos a menção "EDIT" na parte inferior da história.

Ferramenta “Claim Review”

A AFP utiliza a ferramenta Claim Review em seus artigos de verificação de fatos. Isso consiste em informar dados como  a alegação que está sendo verificada, quem a fez e qual foi o veredicto. Isso permite que os mecanismos de busca, como o Google e o Bing, apresentem facilmente as verificações de fatos em resposta a buscas por alegações específicas.

Programa do Facebook

A AFP faz parte do programa de verificação de fatos do Facebook. Consideramos as afirmações assinaladas na rede social como parte do material que verificamos.

As operações de checagem de fatos da AFP recebem apoio direto do programa do Facebook.

Conteúdos classificados como “falso” pelos verificadores de informações é rebaixado nos feeds de notícias para que menos pessoas o vejam.

No entanto, o conteúdo não é excluído como resultado da classificação.