ÁFRICA

Mortes de presidentes de Haiti, Tanzânia e Burundi não têm relação com oposição a vacinas

Publicado em 03/08/2021 às 16:09

Publicações viralizadas indicam que as mortes dos chefes de Estado de Haiti, Tanzânia e Burundi são “suspeitas” e estariam relacionadas às supostas recusas às vacinas contra a covid-19. Mas isso é falso. Embora não se saibam os motivos do assassinato do mandatário haitiano, Jovenel Moise, ele não se opunha às vacinas. O presidente da Tanzânia, John Magufuli, que realmente era contra, morreu por um problema cardíaco, o que também aconteceu com o de Burundi, Pierre Nkurunziza.