Brasil

Amostras “pequenas” e resultados “errados”: argumentos que enganam ao questionar pesquisas eleitorais

Publicado em 19/05/2022 às 01:59

Com a aproximação das eleições de 2022, usuários questionam a credibilidade de pesquisas eleitorais, seja pelo tamanho e alcance de suas amostras, seja por sua suposta incapacidade de prever resultados de pleitos. Mas diferentemente de enquetes, as metodologias amostrais usadas por institutos de pesquisa permitem a realização de inferências estatísticas para toda a população de eleitores brasileiros. Especialistas também apontam que resultados de pesquisas são diferentes de prognósticos, e que servem, na verdade, para descrever como está a opinião pública em determinado momento.