Comparar a talidomida com a vacina contra a covid-19 é enganoso, dizem os especialistas

Publicado em 28/12/2020 às 20:31

Publicações compartilhadas mais de 17.000 vezes nas redes sociais desde o último dia 30 de novembro alertam sobre os riscos do rápido desenvolvimento de vacinas e as comparam à talidomida, uma droga da década de 1950 que causou problemas  congênitos em crianças cujas mães tomaram-na durante a gravidez. O argumento é enganoso, porque os processos para aprovar a comercialização de medicamentos se tornaram mais rígidos e seguros, em parte graças ao caso da talidomida. Além disso, naquela época o uso de remédios durante a gravidez não era estritamente controlado, segundo especialistas consultados.